Jet lag

Elisabete Souto

Quando me sugeriram que falasse sobre o jet lag confesso que a minha primeira reação foi deitar as mãos à cabeça, não tanto pelo tema a abordar ou sobre o que poderia escrever mas sim pelo stress que causa e as recordações menos boas que me trouxe. 

A verdade é que, ao cabo de 20 anos a fazer viagens de longa duração, há truques que se aprendem e que me têm ajudado (e à minha família) a lidar com o famoso jet lag. São esses truques e dicas que quero partilhar aqui convosco. 

O que é então o jet lag?

Ocorre quando há uma alteração do nosso ritmo biológico de 24 horas, ou seja, o nosso “relógio biológico” altera-se por causa de uma viagem longa, normalmente quando se atravessam vários fusos horários. Há pessoas que só sentem os efeitos do jet lag quando atravessam 4 ou mais fusos horários, outras há que se sentem mal só com três. Quantos mais fusos horários, pior. Os efeitos do jet lag ocorrem então porque os nossos períodos de vigília e de repouso, assim como a nossa regulação hormonal, deixam de corresponder ao ciclo dia-noite do ambiente em que nos encontramos. O nosso corpo precisa então de tempo para se ajustar ao nosso horário e ao cansaço resultante de uma longa viagem. 

Quais são os sintomas mais comuns?

Qualquer pessoa que tenha feito uma viagem longa irá nomear como sintomas mais comuns o cansaço e a dificuldade em criar novas rotinas para dormir ou para fazer refeições. Porém, muitas pessoas apresentam outros sintomas (mais ou menos frequentes) que podem incomodar e perturbar bastante a nossa vida: dores de cabeça, mal-estar geral, irritações de pele, diarreia, náuseas, irritabilidade, falta de concentração e ansiedade.

O que podemos fazer para evitar? 

Embora considere que seja (quase) inevitável sentir alguns dos efeitos do jet lag, há coisas que eu faço e que têm tido resultados positivos. 

Há quem defenda que nos dias anteriores à grande viagem se deve começar a adaptar o corpo ao novo horário. Eu nunca consegui pôr isto em prática porque, convenhamos, os dias anteriores a uma grande viagem são sempre de algum stress no que toca à organização de tudo e acabo por me esquecer. Ainda assim, fica aqui a dica: procurem dormir bem antes da viagem e vão fazendo pequenas mudanças na vossa rotina diária nos dias anteriores para irem acostumando o corpo ao futuro fuso horário. 

A maioria das pessoas considera que viajar para Este causa maiores dificuldades do que viajar para Oeste, isto é, os sintomas são mais fortes ou mais prolongados no tempo se eu viajar de Portugal para a Indonésia do que se eu viajar da Indonésia para Portugal. Embora não haja uma explicação cientificamente comprovada, julga-se que se deve ao facto de ser mais fácil o nosso relógio interno se atrasar do que adiantar. 

Durante o(s) voo(s) evitem bebidas alcoólicas, façam refeições ligeiras, bebam muita água e procurem circular, na medida dos possíveis, dentro do avião. Se forem como eu que adora tomar cafés nos voos, beber um copo de tinto ou de espumante e pouca água, então estão tramados. “Façam como eu digo, mas não façam como eu faço”. Outro truque é colocar o telefone ou relógio no fuso horário do local de destino assim que se inicia a viagem e tentar seguir esse horário para dormir e fazer refeições. 

Uma vez chegados ao destino, procurem fazer aquilo que deveriam fazer nesse horário, isto é, evitem dormir se for de dia, façam as refeições à hora suposta e vão dormir só quando já for noite. Claro que chegar ao destino num voo durante o dia ajuda e, se possível, façam-no. Por experiência, posso dizer que facilita a vida chegar de dia e não de noite. 

Jet lag nas crianças

Enquanto adultos é mais fácil lidar com estas mudanças e com a frustração de não se conseguir dormir. O caso muda de figura quando existem crianças envolvidas e, para os mais pequeninos, é preciso muita paciência até que consigam adaptar-se à nova rotina. 

Quando o meu filho mais velho tinha 3 anos fomos de férias à China e recordo-me que passou boa parte da primeira semana com o sono trocado e, apesar do seu entusiasmo e cansaço acumulado durante o dia, as noites foram complicadas porque demorava sempre imenso tempo para dormir e depois acordava ao cabo de 2 ou 3 horas, rabugento e “sem sono”. Também me recordo que a minha mais nova viajou para a China (desta vez para vivermos) com dois anos. As primeiras noites na casa nova foram passadas no cantinho improvisado dos brinquedos, só eu e ela a ler livros, a brincar e a ver o Noddy e o Ruca. 

À medida que se acumulam viagens de longa distância (da Indonésia ao Peru por exemplo) e anos de experiência com dois filhos, a nossa habilidade para diminuir os efeitos do jet lag aperfeiçoa-se. 

Dicas úteis para viajar com crianças: 

– Ter à mão lanches nutritivos, água e atividades para a criança passar bem o tempo dentro do avião;

– Durante o voo deixar a criança dormir quando lhe apetecer mas convém que as sestas sejam de duração igual ou inferior ao que normalmente fazem;

– À chegada evitar que a criança durma (além das sestas habituais, se for caso disso);

– Manter a criança ocupada durante o dia com atividades que sejam divertidas para ela: uma ida ao parque, ao zoo, comprar um livro ou brinquedo que ela goste, comprar snacks, deixá-la no clube infantil do hotel, etc;

– Chegada a hora de dormir, não deitar a criança de estômago vazio pois isso pode significar que vai acordar de noite com fome;

– Se a criança acordar durante a noite, procurar não a distrair muito, deixá-la fazer um pequeno lanche (um copo de leite por exemplo) e tentar convencê-la a escutar uma história em vez de a deixar ver desenhos animados ou pegar no telemóvel. Lá está: façam o que eu digo, não façam o que eu faço (ou fazia). 

– Aprendam com os erros dos outros e metam na mala de viagem muita paciência porque os primeiros dias podem ser desafiantes.

Por último, umas palavrinhas sobre o uso de melatonina. Muitos pais conhecem e muitos adultos também a usam. Há quem seja a favor e outros contra. Há muitos pediatras que aconselham mas cada um sabe de si e sabe o que é melhor e resulta melhor consigo e com a sua criança. 

Lê também:

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Subir ↑

%d bloggers like this: