5 regras em São Paulo

Paula Soares

Aqui ficam as minhas conclusões e sugestões depois da passagem pela cidade de São Paulo, em assuntos que penso que não terão mudado muito desde 2013. Se este texto for lido por quem ainda lá está, sinta-se à vontade para me corrigir, se for o caso!

A regra número #1 é ter um bom salário

Muito acima do que seria um bom salário em Portugal, a acrescer ao seguro de saúde (que facilmente pode custar Eur 500,00/mês para uma família de 4 pessoas). Só assim será possível viver num bairro agradável e seguro, colocar os filhos numa escola internacional, ter acesso aos hospitais de referência internacional, como o Einstein ou o Sírio Libanês, frequentar os restaurantes fantásticos e passar uns fins de semana no Litoral Norte, entre Juqueí e Camburizinho!

São Paulo tem dos melhores restaurantes onde eu já estive e ir jantar/ almoçar fora é um programa bem paulista! Costuma-se dizer que o restaurante é a praia do Paulista (isto porque a praia está relativamente longe – a mais próxima, Santos, fica a 1 hora – 1 hora e meia, sem trânsito, mas as melhores praias ficam a pelo menos 3h da capital).

A regra número #2 de São Paulo, é conseguir viver relativamente perto do local de trabalho…

Para evitar o trânsito caótico! Diariamente, nos horários de pico, é publicada uma estatística “km de congestionamento”, que em dias de chuva, greve do métro ou véspera ou regresso de feriado, pode atingir algo como 300 km! No dia 18/01/2018, devido à greve dos transportes públicos, foi registado um recorde de 614 km!! Para tentar limitar o trânsito, a cidade tem, há já muitos anos, um sistema de controlo dos veículos que podem circular em cada, designado de Rodízio. Dependendo do dia da semana, os veículos com matrícula que termine em determinados algarismos ficam impedidos de circular entre as 7h e as 10h e entre as 17h e as 20h!

Mas na prática o efeito é reduzido, porque famílias classe alta podem ter vários veículos em casa com matrículas com diferentes terminações! Eu tive imensa sorte e trabalhava a 5 minutos a pé de casa! Um verdadeiro luxo! Sonho de consumo, como dizem os brasileiros!

Regra número #3: escolher um bom bairro para morar

Para mim a possibilidade de fazer vida a pé: ir ao supermercado, almoçar/jantar fora, fazer compras… e sentir-me segurança tem uma importância enorme. Por isso aconselho os bairros dos Jardins, com os seus restaurantes fantásticos, a rua Oscar Freire, que os Paulistanos comparam orgulhosamente à 5a Avenida em NY (mas não tem muito a ver!!); ou o Itaim Bibi, Vila Nova da Conceição perto do parque Ibirapuera ou Vila Olimpia! O Morumbi é atrativo pelos seus condomínios de luxo, com piscina e áreas de lazer, mas não tem a componente da vida a pé e a sua proximidade a várias favelas, torna-o um bairro pelo menos aparentemente mais perigoso.

Na vida do dia a dia a percepção da segurança é algo essencial para que possamos estar mais relaxados e podermos desfrutar do que está ao nosso redor.

Pensando em quem tem filhos, a localização da escola pode ser um fator importante… mas São Paulo tem várias escolas internacionais de renome em diferentes aéreas da cidade o que permitirá escolher opções idealmente nos bairros de residência ou pelo menos perto. Fica apenas a nota que uma conceituada escola americana, de NY, que se chama Avenues, abriu recentemente um polo em São Paulo.

5 regras em São Paulo

Regra #4: não esquecer que estamos no Brasil…

É importante não facilitar onde as estatísticas de criminalidade continuam a ser elevadas. Nos meus 4 anos e meio de São Paulo sofri uma tentativa de assalto numa rua deserta e escura, no qual tive muita sorte. Ainda assisti a um assalto às portagens numa auto-estrada no interior do estado de São Paulo, também esse assalto foi sem consequências para mim bem como para as pessoas que estavam comigo.

Há assim alguns cuidados importantes a ter:

  • não usar jóias ou relógios que chamem a atenção;
  • não usar telemóvel a caminhar;
  • não conduzir com as janelas abertas,
  • trancar sempre as portas e colocar a bolsa no chão atrás do banco do condutor (nunca no banco do passageiro);
  • e basicamente estar sempre com à alerta quando se está na rua ou locais públicos;

E por fim, regra número #5,  que na minha opinião, se aplica a qualquer Emigrante, independentemente da cidade para onde vá.

Estarmos disponíveis para ouvir, sentir, cheirar, olhar, provar… conhecer e explorar esse país que nos abre as portas e está disposto a receber-nos!

Sem dúvida que seremos pessoas “mais ricas” se não nos fecharmos na nossa zona de conforto e assumirmos que somos privilegiados por podermos viver num país novo, com uma oportunidade única de aprender e apreender coisas novas. Nem tudo será bom, mas nem tudo será mau de certeza. Só precisamos de dar uma oportunidade…

E no caso de São Paulo, essa oportunidade passa pelo chope no boteco ao fim do dia, ir a um ensaio numa escola de samba, experimentar as frutas estranhas que se encontram no Mercadão, ir comer um pastel à feira.

Dar um bom dia ao Porteiro que sempre te recebe com um sorriso nos lábios! Aproveitar e partilhar a alegria dos brasileiros, deixar que nos abracem como nunca nos abraçaram!!

Ninguém abraça como os brasileiros!!!

Lê também:

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Subir ↑

%d bloggers like this: