fbpx

Da Madeira, a Inglaterra e ao Egito – uma vida sem fronteiras

Joana Jardim

Como é que uma portuguesa da Madeira, vai viver para Londres e depois se muda para o Cairo? Uma vida sem fronteiras… Neste meu primeiro artigo conto a minha história resumida.

Fui recebida pela família da Vida Sem Fronteiras de braços abertos. E mal posso esperar por começar a escrever artigos interessantes sobre como é que é viver no Egito, aos meus olhos. Pois quando vim para cá, sofri bastante com a falta de informação ou desinformação sobre a vida no Egito. Espero poder ajudar todos os portugueses que decidem viver no Egito, com artigos relevantes. 

Desde já, devo dizer que sendo nutricionista, vou também puxar a brasa à minha sardinha, e vou partilhar convosco uma receita por mês nas redes sociais da Vida Sem Fronteiras. Assim como alguns artigos de Nutrição relevantes a todos os portugueses pelo mundo.

Da Madeira ao Porto

Eu sou a Joana Jardim, tenho 33 anos e já escrevo a minha história de portuguesa no mundo há 10 anos.

Cresci na Madeira, uma bela ilha do Oceano Atlântico, mais conhecida como Ilha de Cristiano Ronaldo. Este é o lugar que me faz feliz, onde vive a minha família e onde volto todos os anos para recarregar as baterias. É onde me delicio com os sabores da terra e respiro o ar puro. É onde admiro o verde e o azul. É onde olho para o passado, vivo o presente e planeio o futuro. É onde conto estrelas à noite e observo estrelas cadentes. É onde vejo os melhores nasceres e pores do sol. É onde o sol me beija a pele e a água salgada me refresca. 

Aos 17 anos deixei a minha ilha para estudar Ciências da Alimentação e Nutrição na Universidade do Porto. Esta não foi a minha primeira escolha, foi a minha segunda. Queria ser médica inicialmente.

Agora que penso, eu não estava realmente determinada a ser médica, porque não queria continuar a estudar mais para tirar notas mais altas. O que eu sei é que estava determinada a ajudar as pessoas a mudar as suas vidas para melhor. Rapidamente, percebi que não é preciso ser médica para ajudar as pessoas.

Ao estudar Ciências da Nutrição, tornei-me especialista na prevenção e até na cura de algumas doenças. Por meio da alimentação podemos prevenir a obesidade, certos tipos de cancro, hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares.

Da Madeira, a Inglaterra e ao Egito - uma vida sem fronteiras
Porto, Ribeirinha

Quando terminei a licenciatura em Ciências da Nutrição, queria continuar a estudar, pelo que decidi fazer o Mestrado em Nutrição Clínica na Universidade do Porto – Faculdade de Ciências da Alimentação e Nutrição.  Ao mesmo tempo trabalhava no Hospital S. João do Porto e em algumas escolas. Com isto passaram-se 6 anos, de lindas vivências e amizades. 

Da Madeira, a Inglaterra e ao Egito - uma vida sem fronteiras

Do Porto a Londres

Em 2011, fiz as malas e fui para Londres com apenas uma passagem só de ida.  O que me levou a esta viagem foi essencialmente a procura de oportunidades profissionais.

Tive algumas oportunidades no Porto, mas eu queria algo mais, e na altura, eu estava com o meu namorado que também queria viajar, queria também procurar uma oportunidade no exterior, em Londres.

A irmã dele já estava em Londres, e por falarmos inglês, já estávamos familiarizados com o idioma, parecia uma boa oportunidade, e também porque Inglaterra não era assim tão distante de Portugal. Então decidimos embarcar nesta aventura juntos. Ajudou bastante ter companhia nesta aventura, porque sinceramente, penso que não me aventuraria sozinha, assim em terras desconhecidas. Ter experiências internacionais não fazia parte dos meus planos e nunca tinha pensado em sair do país e ter uma vida como tenho tido.

Em Londres, tudo era novo para mim, o clima cinzento e frio, o ritmo acelerado da cidade que nunca para; a gastronomia e a mistura de diferentes culturas. 

No primeiro ano, trabalhei numa loja de roupa portuguesa, apenas para pagar as contas. Depois de um ano, finalmente consegui o meu registo como Nutricionista no Health and Care Professions Council. Tinha então as portas abertas em Inglaterra para exercer a minha profissão. Com isto, surgiu então uma ótima oportunidade de trabalho na minha área e a minha vida mudou! Fiquei tão feliz! Desde então, trabalhei para diferentes empresas no Reino Unido (Aramark, ISS, Elior) e clínica Harley Street, como nutricionista e conheci pessoas muito boas, pessoalmente e profissionalmente.

A minha maior conquista foi quando a certa altura saí de Londres, consegui poupar um pouco mais e comprei uma casa em Northampton. Após 8 anos de vida em Inglaterra, a pensar que a minha vida assentava, vem outra reviravolta! 

De Inglaterra ao Egito

No auge da pandemia, em 2020, o amor levou-me ao Egito. Sem querer comprometer-me, disse ao meu marido (egípcio) que vinha com ele à experiência por um ano. Ao mesmo tempo, deixava o meu trabalho full time e confortável em Inglaterra, a minha casa, e aventurava-me novamente em campos profissionais. Lancei-me por conta própria a 100%, comecei a levar mais a sério o part time que já tinha começado há uns 3 anos, a minha Clínica de Nutrição privada, um sonho que sempre tive.

Sempre quis ter um trabalho flexível, onde pudesse ajudar pessoas de todo o mundo. Agora, trabalho online, o que significa que posso estar em qualquer lugar e satisfazer a minha paixão todos os dias, que é a de ajudar os outros a identificar aquelas pequenas mudanças que podem fazer no seu estilo de vida para atingirem os seus objectivos nutricionais. 

Vir para o Cairo não foi completamente um choque, porque já tinha vindo anteriormente em férias umas 4 ou 5 vezes. Quando me perguntavam se alguma vez gostaria de viver no Cairo, eu respondia que não me imaginava viver nesta cidade. Pela poluição, pela falta de espaços verdes, pelo barulho de carros constantemente, pelo calor. A verdade é que aqui estou, a viver há pouco mais de um ano. Aprendi a focar-me nas coisas boas que Cairo e o Egito têm para oferecer, e aprender novos costumes, tradições e língua. Aprendi que não há nenhum lugar perfeito neste mundo, e o que realmente importa é as pessoas com quem estamos.

Vir viver para o Cairo, fez-me ser ainda mais humilde, paciente e grata. Humilde, porque desfiz-me um pouco de bens materiais, deixei muita coisa para trás em Inglaterra e não voltei a comprar nada aqui no Egito; paciente, por não perceber a língua, fez com que prestasse mais atenção  à linguagem corporal das pessoas, e tentar assim comunicar de alguma forma; e quando estamos no trânsito e na rua com calor.

Grata, por perceber que vivo uma vida privilegiada, que não me falta nada, e tenho todo o conforto e segurança necessários. 

Viajar realmente muda a maneira como vemos o Mundo. É das experiências mais enriquecedoras que se pode ter nesta vida. 

Passado um ano, o balanço é positivo. Estou bem integrada na minha família egípcia. Vivemos no Cairo e o que me falta agora é soltar mais a língua árabe.

No mês passado fui entrevistada para a rádio antena 1, para o programa Portugueses pelo Mundo, podes ouvir a entrevista completa aqui https://www.rtp.pt/play/p518/e542580/portugueses-no-mundo

Com esta vida sem fronteiras tenho também aprendido que estar longe é viver na nostalgia do regresso e do partir, é dizer adeus e olá constantemente, é apreciar cada segundo como se fosse o último. É levar consigo os melhores momentos da vida bem aconchegados no coração.

Lê também:

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Subir ↑

%d bloggers like this: