fbpx

Preocupações pré-casamento em mundo COVID (Parte3)

Quando finalmente decidimos manter o casamento, a lista de coisas a fazer era considerável. Não que não tivéssemos o principal (onde e quem celebraria), mas porque faltavam alguns detalhes relevantes, como

  • a lista final de convidados (bem difícil porque teríamos de cortar mais de metade dos convites previstos),
  • os missais,
  • a decoração,
  • o bouquet,
  • as lembranças

A acrescentar a isto, enquanto eu consigo trabalhar de Portugal, para o João tal não é tão simples, o que resultou em termos passado as últimas semanas antes do casamento com um em Portugal e outro em Malta.

Juntos tivemos 4 dias a meio de Setembro e 2 dias em Outubro onde, ali mesmo mesmo em cima do dia do casamento, tratámos do que tínhamos de tratar em conjunto.

Top de preocupações

Medos e ansiedade constantes em relação à COVID:

(1) E se Malta fecha o aeroporto e o João fica “preso”?

(2) E se um de nós apanha COVID?

(3) E se algum convidado apanha COVID?

(4) E se a “coisa” continua a piorar e temos de reduzir ainda mais a lista de convidados?

(5) E se piora mesmo a sério e temos de cancelar o casamento?

O conforto dos convidados

(1) Assegurar que todos os nossos amigos e os nossos familiares que por qualquer razão não podiam ir (a maioria porque tiveram de ser cortados da lista) pudessem assistir ao casamento em direto.

Nisto, contámos com a ajuda preciosa da empresa dos nossos fotógrafos (Casa de Luz), que asseguraram a transmissão através de uma página de Facebook privada.

(2) Como garantir que os convidados se sintam mesmo confortáveis no nosso dia. Isso exigiu que tivéssemos um maior cuidado a fazer as mesas, a organização da Igreja e da sala do jantar de uma forma que assegurasse o distanciamento das pessoas, várias chamadas/mensagens a tranquilizar os convidados, cuidado no local do cocktail e apreensão quanto a onde fazer a dança (que dependeria do tempo que estivesse).

O tempo

Como estaria o tempo? Tínhamos planos A, B e C:

(1) Plano A com chuva

(2) Plano B sem chuva

(3) Plano C sem chuva, mas com frio

Isto teria um impacto enorme, porque enquanto sem chuva nem frio conseguiríamos fazer tudo ao ar livre menos o jantar, com chuva ou com frio teríamos de fazer a cerimónia dentro da Igreja e o resto dentro da sala, o que seria menos tranquilo em termos de Covid e de todos nos sentirmos confortáveis.

O resto, que se calhar seriam preocupações num casamento “normal”, nesta fase era totalmente secundário: tudo se arranjaria.

Dia D – neste caso C (de casamento)

Demos o nosso melhor, e o dia do casamento lá chegou. Tivemos, uma vez mais, uma sorte incrível: era dia 10 de Outubro, mas estiveram 30 graus durante o dia e pouco frio durante a noite.

Conseguimos fazer a cerimónia na rua, o cocktail igualmente na rua, num espaço que daria para mais de 400 pessoas (e onde tivemos 115).

Ao jantar lá foi tudo para dentro da sala, mas conseguimos garantir o espaçamento entre mesas e a grande maioria das mesas tinha apenas agregados familiares.

Por fim, quer o bolo como a dança, dado que não estava frio, foram no local do cocktail, ao ar livre e com muito espaço. Assim, todos conseguiram aproveitar de forma tranquila e com as devidas distâncias.

Os nervos de casar nesta fase foram mais que muitos mas hoje, não tentaria fazer de outra forma.

Não conseguimos ter todos fisicamente presentes, e isso custou muito, mas transmitimos a cerimónia para que todos conseguissem estar mais perto.

Conseguimos também ter algumas pessoas presentes que, devido à idade, poderíamos já não ter connosco para o ano, caso adiássemos o casamento.


Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Subir ↑

%d bloggers like this: