fbpx

Perth e praia, tudo mais é supérfluo

Perth é os imensos horizontes, terra vermelha contra o céu azul. Perth é o espaço que se alarga além do horizonte. Ou melhor, a Austrália Ocidental – Perth é a capital. Mas se fugirmos um pouco ao rebuliço dos centros comerciais e auto estradas, o horizonte está lá, e brinda-nos todos os dias. Perth é a cidade com mais dias sol por ano do planeta. O clima é mediterrâneo – eu diria, em média 3 a 5 graus centígrados mais quente que Portugal- e as praias são as mais extensas, ilimitadas, que eu já visitei.

A água é azul turquesa, o céu de cor lápis lazuli, a areia branca como a casca de ovo, pálida e fina debaixo dos pés; em alguns lugares, plácida, calma, transparente, noutros selvagem e brutal, como um desejo realizado para os surfistas.

A Cidade de Perth

Perth é uma cidade relativamente nova, tem um certo ar de adolescente a tentar convencer os outros da sua maturidade, com sinceridade, com empenho. O centro da cidade é ainda um pouco risível a nível cultural, quer artístico quer de um grupo de tradições que definem um povo, também por causa da sua natureza multicultural. Na Australia Ocidental, Perth desempenha um papel maioritariamente económico.

A atitude em geral é que ninguém gosta nem quer morar na cidade, a não ser jovens internacionais. O sonho típico australiano é uma casa T2+2 com um grande jardim e um barco à porta. Não sobra espaço para o cosmopolitismo. “Give me arome among the Gumtrees…and an old rocking chair”

Por isso não é fácil encontrar acomodação no centro, embora isso tenha vindo a mudar ultimamente. O ponto negativo é o fato de que todos conduzem grandes distâncias de e para o trabalho, e carros de alta cilindrada, o que deixa a rede de transportes públicos algo precária e o trânsito congestionado. 

Quem mora aqui considera-se privilegiado

Mesmo assim quem mora aqui considera-se privilegiado. Um pouco isolado do resto da Austrália, é um pequeno paraíso que passa despercebido, tanto na Austrália como no resto do mundo. Mas uma economia baseada na extração de ferro e cobre está longe de ser ecologicamente sustentável e com o avanço das alterações climáticas e a necessidade de adaptação econômica, isso poderá ter de vir a mudar.

No entanto, nas últimas décadas, criou uma economia borbulhante e uma classe média alta de profissões não especializadas, os famosos fly-in fly-out, trabalhadores das minas que intercalam de 3 a 4 semanas de trabalho com 3 a 4 semanas de descanso. O resultado é uma cidade cara e um elitismo orgulhoso das suas origens como trabalhadores manuais, um paradoxo.

Aqui paga-se 5 AUD por um café, equivalente a 3,5 euros aproximadamente, e 10 AUD por uma cerveja, equivalente a 7 euros aproximadamente. Ir jantar fora, pelos menos no meu caso, não é algo que se possa fazer com frequência. Em comparação, os salários são elevados, pelo menos para a população ligada à indústria mineira, a população educada e certos empregos-chave, e o sistema de segurança social é robusto. Mas paga-se por tudo, e paga-se consideravelmente, educação, saúde, creches, lares, é o outro lado da moeda.

Os vistos, um dos negócios mais lucrativos do país

Não é fácil obter um visto australiano, depende da profissão, se tivermos a sorte de estar inseridos na curta lista de profissões necessárias, na idade e no nível de educação, e depois, claro, o montante a pagar que, desde que eu cheguei, à cerca de 6 anos, já triplicou. Mesmo assim, os números de pessoas a tentar obter direitos de residência na Austrália não pára de crescer.

O último exemplo do Covid ressoou com o sentimento de insegurança global, a Austrália, com a possibilidade de se fechar completamente em si mesma, parece segura, e a distância geográfica, principalmente de Perth, concede-lhe alguns privilégios, ou desculpas, no palco global, tanto seja em pandemias, conflitos ou nas medidas tão urgentes para combater as alterações climáticas. E permite ao comum australiano fechar os olhos e ignorar o que se passa ao seu redor. Um pequeno paraíso, no fundo, longe da vista longe do coração.

Portanto, se esquecermos tudo o que se passa no mundo e nos deixarmos levar pelos dias intermináveis de verão, as praias idílicas, se desligarmos as notícias, aqui em Perth conseguimos vislumbrar um pequeno pedaço de paraíso, enquanto durar.

Leia também:

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Subir ↑

%d bloggers like this: