fbpx

Covid-19 em Malta

Malta, apesar do seu pequeno tamanho, não é exceção ao que se passa no resto da Europa. 

O banco onde trabalho foi-se preparando e fazendo testes aos sistemas para o caso de termos de trabalhar todos de casa, e foi aí que percebi que o virús estava mesmo a chegar à ilha (se ainda não estivesse por cá, dada a grande proximidade e “permutas” com Itália e com tantos outros países Europeus).

À data de hoje, 17 de março, passaram 10 dias desde o 1º caso e temos 30 casos confirmados, que ainda são descritos um a um na imprensa, permitindo-nos saber onde foram “apanhados” e as idades e nacionalidades das pessoas.

As medidas adotadas pelo Governo chegam quase dia após dia, restringindo sempre um bocadinho mais a liberdade ou os estabelecimentos que estão abertos. A situação neste momento ainda é de relativa calma no meio do caos, e as medidas que foram impostas são as seguintes:

– Pessoas que venham seja de que país for, ficam de quarentena obrigatória por 14 dias. Para o garantir, a polícia anda a fazer inspeções porta-a-porta, sendo que quem não cumpre paga uma multa de 3000€ (inicialmente eram 1000€ mas a estupidez humana às vezes é incrível e apanharam vários a não cumprir a quarentena, pelo que aumentou);

– Os voos de e para Espanha, França, Suíça, Alemanha e Itália foram 100% cancelados na semana passada;

– As escolas, creches, ATLs, universidades e quaisquer outros estabelecimentos de ensino estão fechadas desde ontem;

– A partir da meia noite de hoje, os restaurantes, bares, museus, cinemas, teatros etc. estarão fechados;

– Muita gente, para não dizer a grande maioria, está em teletrabalho;

– Os autocarros não aceitam mais do que a lotação de pessoas sentadas e foi proibido pagar sem ser com valores certos (ou usando o cartão). Além disso, a partir de 4ª feira, dia 18, vão reduzir as rotas e as horas de funcionamento. 

Nós estamos por casa. Mas temos a sorte de ter 2 andares e um ótimo terraço, que sempre permite mudarmos ligeiramente de ambientes e apanhar algum ar ou mesmo trabalhar de lá, quando o dia assim o permite. 

Temo-nos obrigado a manter as rotinas da semana, apesar de estarmos a trabalhar de casa, evitado sair quando há mais gente na rua. No entanto, e por agora, temos mantido a “voltinha” diária, que fazemos ao fim do dia, quando praticamente não há pessoas na rua e no jardim à frente de casa que agora esta quase sempre deserto. Fora isso, temos saído apenas para comprar comida ou qualquer coisa que seja mesmo urgente.

Ao mesmo tempo que o nosso dia é diferente e que há todas estas mudanças, nesta fase é mais estranho ou torna-se mais “sensível” estar longe, fora do alcance das nossas famílias e dos amigos de sempre. No entanto, sabemos que estão bem, nas suas casas, e a maioria em Portugal, e mais do que nunca ficamos gratos por vivermos nesta era tecnológica e pelas benditas Apps que nos permitem falar todos “ao monte” e fazer com que isto seja muito mais fácil e os sintamos mais perto. https://houseparty.com

Mesmo assim, os dias são mais difíceis, são mais longos e a incerteza desajusta os nossos sentimentos e a nossa estabilidade. No entanto, e pelo menos por agora, estamos bem e a lidar também bem com isso.

Não sabemos como isto vai evoluir, ou que outras medidas irá o Governo de Malta tomar. Acredito que dependa do número de casos que por aqui houver a cada momento.

O maior receio que temos neste momento é que isto do #stayathome se estenda por muito tempo. Porque, na verdade, ninguém sabe até quando estaremos assim. Por agora ainda se pode circular livremente, apesar de as pessoas estarem a ser aconselhadas e incentivadas a ficar em casa. No entanto, se for decretado que temos de ficar fechados e se essa medida for por muito tempo, possivelmente, e se nos permitirem, voaremos até Portugal e passaremos a quarentena que for requerida juntos dos nossos. Sempre aproveitamos um bocadinho, já que costumamos ir sempre a correr a Portugal.

Estamos num modo de “ir andando e vendo”. Estamos bem. Temos tudo o que precisamos e dificilmente passaremos alguma dificuldade dado que os supermercados e farmácias estão a precaver-se para nunca faltarem stocks do que for necessário. 

Como se diz por todo o mundo, vamos ficar todos bem. Mas precisamos de tempo para que isto acalme.

Os impactos que irá ter? Enormes, com toda a certeza. Em Malta, em Itália, na China, no Brasil, em Portugal, em todo o mundo. Mas vamos ver, step by step e um paço de cada vez. 

Ainda estamos basicamente na fase zero, ou na um, vá, em que o virus “acabou de chegar” à ilha. Ainda hão-de aparecer muitos casos (ou não, quem sabe?), mas teremos mesmo de ser pacientes e esperar para ver.

Até lá, aproveitemos o tempo em casa. Organizemos tudo, arrumemos tudo, criemos jogos ou joguemos aqueles para os quais nunca temos tempo, tratemos de assuntos que sejam possíveis à distância, ponhamos a leitura em dia ou peguemos naqueles livros que estão na prateleira há mais tempo, aprendamos qualquer coisa nova e que nos motive, falemos com todos os nossos amigos, também eles em casa nas mesmas horas que nós. Mantenhamo-nos ativos e entretidos. Isto vai passar, só nos resta esperar e ver quando. 

E certamente, ou pelo menos assim quero acreditar, quando isto acabar daremos mais valor às pequenas coisas o que, no fim de contas, até é bom. Afinal, não pode ser tudo mau e mais do que nunca é importante ver o lado positivo das coisas.

Um comentário em “Covid-19 em Malta

Adicione o seu

  1. Querida Vera! Gostei de finalmente ler as tuas experiências! O covid deu-me tempo para com calma passar por aqui! Bom retrato do que é esta nova realidade por aí!
    Acho que neste momento já se consegue ver uma luz ao fundo do túnel pelo menos aqui na Suíça. Vamos ver! Beijo grande

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Subir ↑

%d bloggers like this: