fbpx

A educação não tem fronteiras

Catarina Andrade

Ouvimos muitas vezes que cada pessoa tem a sua forma de educar mas a educação não tem fronteiras.

Dizer bom dia, por favor e obrigada faz parte de se ser bem educado. Parece que a pandemia, nomeadamente as máscaras nos criaram mais barreiras na comunicação. Cada vez mais as pessoas tem dificuldades em falar umas com as outras, em olhar umas para as outras e em serem educadas. A pandemia condicionou-nos a socialização, aumentou-nos o distanciamento social, fez-nos utilizar ainda mais os aparelhos electrónicos mas não nos tirou nem nos pode limitar os princípios. 

Educar para a Sociedade

Educar para a sociedade tem de fazer parte dos objectivos de todos os pais, professores, educadores,…

Concordo que se alguém quer dar um chupa-chupa aos meus filhos, como mãe possa dizer não aceito. É uma opção minha e dos comportamentos que defendo enquanto mãe. Também posso aceitar que os meus filhos não queiram dar um beijo ou um abraço a alguém mas nunca que, por norma, não lhes apeteça dizer bom dia ou boa tarde quando vêem alguém. Faz parte das boas maneiras, sejamos adultos ou crianças. Quem não o faz irá ficar mais cedo ou mais tarde com o rótulo de “mal educado”. Não é uma vontade infantil. É assim.

Da mesma forma que quando nos dão alguma coisa, gostemos ou não, temos de agradecer. Faz parte. Dizer ele ainda é muito pequeno não percebe é uma desresponsabilização da criança e do papel do educador.

Educar não é uma decisão, é um dever

A minha filha de um ano que diz meia-dúzia de palavras ainda não sabe dizer obrigada mas diz olá e sorri. É uma maneira engraçada de se agradecer, não é certamente a forma como agradecerá quando já falar mas fico descansada que já tenha compreendido o princípio.

Posso decidir como mãe deitar os meus filhos cedo, que é o caso, ou tarde. Faz parte da forma como educo os meus filhos e só à família dirá respeito senão interferir com a liberdade e o bem-estar das outras pessoas. Se os meus filhos não dormem e são violentos com as outras pessoas, sejam crianças ou adultos, talvez não faça apenas parte da minha vontade enquanto mãe de não os deitar mas de uma necessidade que eles tem. A mesma de não lhes apetecer dizer obrigada. Eles simplesmente não tem um bom comportamento porque não descansaram o suficiente. 

Educação positiva

Quando o meu filho mais velho era bebé eu achava que era impossível metê-lo a dormir, ele não queria. Na creche conseguiam mas eu em casa não. Atribuímos sempre as desculpas a “é por ser a mãe”, “é porque ele sente o leite” etc. Quando a escolha de querer dormir deixou de ser uma opção e comecei a perguntar queres dormir agora ou ainda brincamos um bocadinho. A dormida deixou de ser uma opção mas o momento de dormir passou a ser opção, comecei a perceber que ele afinal gostava muito de dormir e os comportamentos passaram a ser melhores. 

Afinal é possível educar positivamente e com opções e ter crianças que dizem por favor, obrigado e boa tarde. São bem educadas e são felizes. Nunca ninguém ficou menos feliz por ser bem educado. 

Educar faz parte do meu princípio de vida, também faz do seu?

Pode seguir-me em www.educa21ca.blogspot.com

Lê também:

Manifestar o contacto físico em público

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Subir ↑

%d bloggers like this: